Lá estávamos nós dois
E não havia luz
Eu sentia teu corpo
Tateava tua forma
Tua curva
Tua vulva
Tua mão

Eu ouvia o
Barulho
De entrar
E sair de você
E de
Repente
A explosão
De sementes, e flores, e folhas e
Frutos, tudo morrendo
Num saquinho plástico
Em nome da VIDA

FRANÇA/OLINDA-PE
(AGENDA DE VIDA-2005)