PESSOAS E COISAS

 

Há coisas tão desprezadas que lembram pessoas em

                                                                                         Abandono.

Assim o tijolo que sobrou da construção, o retrato além

               Do número e que ficou entre estranhos na gaveta

               Do fotógrafo, a palavra no dicionário, vizinha

Da que saiu para o poema.

 

 E mais a palavra sem acolhimento pelo próprio ouvido; o

                Poema no canto da mesa, excluído do livro a

                                                                                                  Publicar,

E o morto do outro enterro.

 

Mas há pessoas em tal abandono que lembram coisas

                 Desprezadas, Senhor, que não ouso expô-las no

                 Poema, receoso de que, descobrindo-se ao sol, duvidem

Da tua Justiça e da tua Misericórdia.

 

GERALDINO BRASIL

(Antologia Didática de Poetas Pernambucanos)