O CÉU AVERMELHA-SE ANTES DE SE TORNAR AZUL

Três e meia da madrugada:
Homens dormem...
Milhões de pardais cantam, anunciando um amanhã.
De vez em quando,
Um galo responde e tudo fica tão belo,
Tão musical, compondo um instante singelo.

Acordei de ressaca
Como se tivesse despertado de um pesadelo.
A madrugada e o silêncio dela renovam minhas forças.
Bonitos sons compõem este silêncio:
Sons da natureza; eu sou natureza,
E nunca me senti tão ela como hoje.

Acendo o Belmont
Amassado pelo meu velho colchão,
E a fumaça começa a penetrar pelos labirintos do meu peito.
A brasa incendeia meu ser material,
Mas, ele nada sente: sou totalmente espírito.

Algum marginal ataca;
Prostitutas são vendidas;
Travestis passeiam com medo.
Os autos passam velozmente,
Enquanto eu cuspo o amargor da cachaça de ontem.

Tente acordar os homens neste instante,
Antes que o sol apareça
E tudo recomece novamente.
Antes que as máquinas e as buzinas nos enlouqueçam.

Acordem, homens!
Cantem, pardais!
Respondam, galos!
... O céu avermelha-se antes de se tornar azul.

JOCA DE OLIVEIRA
Poema do livro Os Últimos Pássaros da Cidade

 

Jocadeoliveira.comę 2006 All Rights Reserved.